Tudo Sobre a Testosterona!

0
339
Testosterona

Fica a saber tudo sobre a testosterona e como funciona. Descobre as bases, como reage no corpo e a diferença entre esteróides e testosterona.

Nota: Este artigo contêm muita informação científica sobre como a testosterona atua no corpo. Pode ser aborrecido mas dá-te um conhecimento fantástico sobre como aumentares e teres os melhores resultados com testosterona.

Se tivesses perguntado a um médico há 10 anos atrás sobre usares testosterona para melhorares o teu físico, as hipóteses de obteres uma resposta positiva eram muito reduzidas e provavelmente ias ouvir uma destas respostas:

  • “A testosterona é má para ti.”
  • “A testosterona vai transformar os teus testículos de uvas para passas.”
  • “A testosterona vai causar-te uma doença hepática e fazer-te ficar como a tua avó!”

Chegou 1996 e a disponibilidade legal de androstenediona (a-dione) e outras pro-hormonas.

Pela primeira vez, os “esteróides” estavam legalmente disponíveis nos balcões das lojas e a testosterona tornou-se fácil de usar. Não só poderia aumentar a força e o tamanho do músculo, mas também melhorar a composição corporal, a densidade óssea, o libido, e imunocompetência. Algumas pesquisas sugeriram mesmo que a Testosterona poderia tornar-te mais inteligente!

Infelizmente, as vendas de suplementos aumentaram, assim como os exageros de marketing. E também, surgiu a dúvida sobre que empresa tinha a mistura mais potente de pro-hormona e a eficácia destes “esteróides legais”.

Se estás cansado de seres confundido por “dionas”, “dióis” e “19-nor”, ou com outros – e queres conhecer os benefícios reais e os riscos associados ao aumento da testosterona – continua a ler. A informação apresentada pode simplesmente esclarecer algumas dessas dúvidas na tua cabeça.

O Básico

A testosterona é uma hormona esteróide 19-carbono produzida principalmente pelas células de Leydig dos testículos (nos homens) e dos ovários (em mulheres). Pequenas quantidades são produzidas nas glândulas adrenais de ambos os sexos.

Como um “esteróide”, a testosterona pertence à classe de andrógeno de hormonas que também inclui dihidrotestosterona (DHT), dehidroepiandrosterona (DHEA), androstenediona e androstenediol.

Existem seis outras classes de hormonas esteróides, incluindo:

  • Estrogénios (a amargura de fisiculturistas masculinos)
  • Progestinas (alguns contraceptivos femininos são feitos destes)
  • Mineralocorticóides (o que ajuda a controlar o volume de água no corpo)
  • Glucocorticóides (principalmente compostos anti-inflamatórios)
  • Vitamina D
  • Ácidos biliares

Nos homens, aproximadamente 7mg de testosterona é produzida por dia, e os níveis sanguíneos variam entre 300 e 1.000 ng/dL (10-28 nmol/L).

As mulheres, por outro lado, produzem cerca de 1/15 desta quantidade, levando aos níveis sanguíneos uma média de apenas 25 a 90 ng/dL (1-2,5 nmol/L).

Todas as hormonas esteróides são derivadas da estrutura do anel de esterano, composto por três anéis de hexano (6 carbonos) e de um anel de pentano (5 carbono).

Em humanos saudáveis, o passo “limitante da velocidade” na biossíntese da testosterona é a conversão de colesterol numa hormona chamada pregnenolona.

Esta hormona é então primeiro convertida em DHEA ou qualquer progesterona antes de ser ainda mais degradada de forma gradual para testosterona.

Esquematicamente, os dois caminhos possíveis parecidos com este: (As enzimas foram omitidas para maior clareza.)

Colesterol » pregnenolona » progesterona » androstenediona » T
Colesterol » pregnenolona » DHEA » androstenediol » T

Depois da testosterona ser segregada na corrente sanguínea, 96-98 porcento está ligado às proteínas denominadas albumina e globulina.

Esta ligação é pensada para servir três propósitos:

  1. Faz com que a testosterona seja solúvel para o transporte no sangue
  2. Protege a testosterona da degradação pelo fígado e os rins
  3. Serve como reservatório ou depósito de armazenamento que pode ser usado para amortecer as flutuações na testosterona plasmática.

Os dois a quatro por cento não ligados às proteínas plasmáticas são conhecidos como “testosterona livre” e é pensada para representar a fração biologicamente ativa da hormona.

Por outras palavras, a quantidade que é capaz de interagir com células para causar alterações fisiológicas. E embora os dados recentes sugerem que se trata provavelmente de uma simplificação excessiva, vamos deixar essa discussão para outra altura.

A regulação dos níveis de testosterona é regida por dois factores:

  • Quantidade total de testosterona no sangue
  • Capacidade de ligação das proteínas plasmáticas

Obviamente, à medida que a capacidade de ligação aumenta, os níveis sanguíneos de testosterona livre diminuem.

Não surpreendentemente, determinados medicamentos (esteróides anabolizantes androgénicos, insulina, insulina, etc.) e, talvez, suplementos nutricionais (tais como Avena sativa, Urtica dioica, etc.) podem reduzir a capacidade de ligação do sangue e resultam em níveis mais elevados de testosterona livre, etc.). Há também evidências de que alguns tipos de poluição e pesticidas pode fazer o oposto.

Além disso, a produção de testosterona a partir dos testículos ocorre em todo o período de desenvolvimento fetal até cerca das 10 semanas após o nascimento. Depois disso para por uns anos até à puberdade – uma altura em que os homens sabem muito bem que os seus níveis de Testosterona saltam.

Este é um momento em que os homens jovens realmente superam as mulheres jovens quanto ao peso corporal e musculatura – e se sentem atraídos por desportos como o futebol e alguns passatempos agressivos.

Infelizmente, em muitos aspectos, os níveis de testosterona começam a declinar entre a terceira e quarta década de vida. E por volta dos 80 (se lá chegarmos), somos apenas um terço do homem que costumávamos ser em níveis de testosterona.

As acções fisiológicas de testosterona nos homens são de longo alcance. Por exemplo:

  • Crescimento do pénis, escroto e testículos durante a puberdade
  • Alargamento da laringe (caixa de voz), que resulta num aprofundamento da voz
  • Formação do esperma funcional
  • Estimulação do crescimento do cabelo – especialmente na região pubiana, peito, rosto, e, por vezes, nas costas
  • Aumento na espessura e escurecimento da pele
  • Aumento da libido (desejo sexual)
  • Aumento da taxa metabólica basal (em repouso)
  • Aumento do número de glóbulos vermelhos e do volume sanguíneo total
  • Promoção da retenção de sódio e água nos rins
  • Aumento da síntese de proteínas musculares, resultando em aumento da massa muscular
  • Reduções na quebra do glicogénio muscular durante o exercício
  • Aumento da retenção de cálcio nos ossos
  • Diminuição do crescimento do cabelo em cima da cabeça
  • Aumento da actividade das glândulas sebáceas (suor), por vezes resultando em acne
  • Promove um estreitamento e fortalecimento da pélvis

Nota: Esta lista pretende ser ilustrativa e não exaustiva. A testosterona tem outros efeitos no corpo que não estão listados.

Da testosterona “livre” que interage ao nível do tecido, grande parte é convertida dentro das células em DHT – um androgénio mais potente – pela enzima 5-alfa redutase.

Na próstata, por exemplo, esta conversão pensa-se ser necessária para efeitos fisiológicos.

Outros tecidos (como o do epidídimo, canal deferente, vesícula seminal, músculo esquelético e ossos) não possuem a enzima 5-alfa redutase e, portanto, pensa-se que estes respondem directamente à testosterona.

A conversão de testosterona em estrogénios (estriol, estrona e estradiol) é regida pelo complexo de enzima aromatase e ocorre principalmente no fígado, cérebro e tecido adiposo.

Alguns culturistas tentam evitar / reduzir a conversão de testosterona em DHT ou estrogénios, mantendo baixo nível de gordura corporal e usando medicamentos ou suplementos nutricionais que bloqueiam a 5-alfa redutase e a aromatase.

Crisina, palmeira anã e indole-3-carbinol são três exemplos de suplementos legais derivados de plantas que podem maximizar os níveis de testosterona, minimizando a sua conversão em DHT e estrogénios.

Infelizmente, a biodisponibilidade de muitos compostos “bioflavanoides” quando ingeridos é fraca. Algumas empresas de suplementos de ponta enganam os “sistemas de entrega” para tentar resolver esse problema.

É importante reconhecer que os níveis de testosterona no sangue – todas as hormonas interessam – representam um equilíbrio dinâmico entre biossíntese (que ocorre de uma maneira pulsátil) e a biodegradação.

Como mencionado, os testículos, glândulas suprarrenais e ovários são responsáveis para a biossíntese de testosterona, enquanto o fígado e os rins são responsáveis pela sua degradação biológica e excreção.

Assim, por exemplo, aumento na testosterona plasmática habitualmente observado depois de uma sessão de treino muito intenso não é apenas o resultado da maior produção de testosterona a partir dos testículos, mas também a partir de uma redução na sua depuração (fluxo de sangue para o fígado e os rins é reduzida durante o exercício).

Faz sentido?

Este equilíbrio entre síntese e degradação também origina um único valor de testosterona no sangue extremamente difícil de interpretar.

Como observado décadas atrás, os níveis de testosterona sobem e descem ao longo do dia; portanto, um único valor de testosterona poderia representar um pico ou precipício na montanha russa diária de testosterona.

Esteróides Anabólicos Androgénicos

Então, qual é a diferença entre a testosterona e esteróides anabólicos androgénicos (EAA)?

Bem, enquanto que a testosterona é produzida naturalmente no corpo, os EAA são análogos sintéticos da testosterona que foram usados pela primeira vez medicamente nos EUA na anos 50 e 60.

Por sintéticos, quero dizer que os EAA são sintetizados por gajos em fatos de laboratório que, na maior parte das suas vidas, têm tirado cursos de ciências e química.

Vários EAA “relativamente seguros” são utilizados clinicamente para tratar osteoporose e distúrbios de perda muscular.

Estes são o decanoato de nandrolona (Deca Durabolin) e a oxandrolona (Anavar), respetivamente.

Exemplos de EAA mais potentes, mas potencialmente perigosos, são a fluoxmesterona (Halotestin), o acetato de trembolona (Parabolan), a meandrostenolona (Dianabol) e a oximeoplona (Anadrol).

Em geral, os esteróides injectáveis são mais potentes, mais seguros e permanecem no sistema mais tempo do que os esteróides orais.

Existem, no entanto, algumas excepções e o pequeno pormenor de serem ilegais em vários países. Felizmente à hoje em dia podes encontrar alternativas legais que te dão os mesmos resultados, como os suplementos CrazyBulk.

Efeitos Secundários do Abuso de EAA

Embora já estejas ciente de possíveis efeitos colaterais do abuso de testosterona, aqui estão novamente:

  • Baixos níveis de colesterol HDL (colesterol bom)
  • Atrofia testicular
  • Reduções na contagem de esperma
  • Aumento da próstata
  • Danos no fígado (principalmente com esteroides orais que foram modificados com uma substituição de 17-alquilo)
  • Irregularidades menstruais
  • Supressão de níveis hormonais endógenos (como LH e T)
  • Desenvolvimento de tecido mamário palpável em homens (também conhecido como ginecomastia)
  • Aumento do clitóris e acne

Se um indivíduo que usa EAA vai desenvolver qualquer um destes efeitos colaterais é difícil de prever devido à interação complexa entre factores como o tipo de medicamento, dosagem, duração da utilização e diferenças (genéticas) individuais.

Basta dizer que há formas mais seguras de aumentar os níveis de testosterona e ganhar uma vantagem no ginásio.

Mais importante ainda, existem formas legais – pelo menos por agora.

Alternativa Sem Efeitos Secundários

A boa notícia é que há várias soluções para aumentares a tua testosterona sem tomares o esteróide em si ou sem fazeres tratamento hormonal – ninguém quer isso!

Os que estas soluções fazem (quer sejam suplementos ou alimentação muito rigorosa de certos ingredientes) é aumentarem a capacidade natural do teu corpo em produzir testosterona (em vez de a ingerirem no teu corpo directamente).

-> A minha solução favorita é o suplemento Testogen, um intensificador de testosterona natural. Clica aqui para visitares o site oficial do Testogen.

Frasco de TestogenPara teres uma ideia, o Testogen é composto por uma série de ingredientes comprovados como Ácido D-Aspártico, Feno-Grego, Extrato de Ginseng, Selênio, Tribulus Terrestris, Zinco, Vitamina B e Vitamina D.

Caso não saibas, o Tribulus Terrestris salta logo à vista do pessoal que toma suplementos para aumentar a testosterona, mas a combinação com o resto dos ingredientes é única e muito sinceramente espantosa.

Não é fácil (e talvez mesmo impossível) encontrar um suplemento semelhante.

Dito isto, a recomendação fica feita.

Se já experimentas-te Testogen (ou se fores experimentar) era um espectáculo se passado umas semanas te lembrasses de nós e nos viesses deixar um comentário sobre o que achas do produto!

Aqui fica o link para site oficial novamente:

Site Oficial do Testogen

Boas pessoal! Sou o Lucas, um personal trainer e especialista em nutrição desportiva. Como autor, uso a minha experiência e conhecimentos para vos dar análises detalhadas dos novos suplementos no mercado, assim como várias sugestões de treino, nutrição e saúde masculina.
avatar